logo
O Grupo de Investigação, Formação e Ação para o Desenvolvimento (GIFAD) é uma organização não governamental, sem fins lucrativos e com sede no Rio de Janeiro.

Home > Sumário > Publicações > Documentos para discussão > dd_11104.htm
Documentos para Discussão
No. 1, nov. 2004
Projeto de educação ambiental e cidadania1

André Yves Cribb2
Sandra Lucia de Souza Pinto Cribb
Maylta Brandão dos Anjos
Luis Henrique dos Santos Teixeira

Citação Correta:
CRIBB, A. Y.; CRIBB, S. L. S. P.; ANJOS, M. B. dos; TEIXEIRA, L. H. S. Projeto de educação ambiental e cidadania. Documentos para Discussão, No. 1, nov. 2004. Rio de Janeiro: GIFAD. Disponível em: http://www.gifad.org.br/publicacoes/docdisc/dd_11104.htm. Acesso em: .

1. Introdução

A ação educacional, consciente do processo de construção das estruturas vivênciais, necessariamente integrará a ação do trabalho nas atividades cotidianas. A educação prática conduz a educação integradora que levará ao entendimento do trabalho como melhor forma de viver e conviver, como indivíduo e como membro de uma comunidade. Com isto a educação prepara para a vida através do aprender-fazendo. A cultura, de uma forma ampla, torna-se valorizada através das vivências curriculares cuja finalidade está, entre outras coisas, tornar a escola um lugar onde se possa proporcionar condições para a melhoria da vida do indivíduo, de sua família e da comunidade.

As questões ambientais são cada vez mais levadas em consideração nos programas escolares. Sua importância se revela indiscutível na formação dos indivíduos. É necessário ensinar cedo aos alunos que a saúde deles depende amplamente da qualidade de sua vida. Vive-se melhor permanecendo em um lugar limpo e ingerindo alimentos saudáveis. Para isto, tal lugar deve ser conservado contra fatores poluidores e tais alimentos precisam ser produzidos sem técnicas e insumos nocivos às pessoas e aos recursos naturais.

As exigências da urbanização têm determinado uma situação na qual o aumento da produtividade é mais importante do que a estabilidade dos níveis produtivos. Por isto, observa-se na agropecuária, durante o último século, uma passagem acelerada de uma produção de subsistência que exaltava as características da estabilidade natural a uma produção para o mercado que dá prioridade ao produtivismo. A título de ilustração, calcula-se hoje que as espécies vegetais cultivadas não são mais que 150 e que a maior parte da população vive de produtos provenientes de 12 espécies, enquanto que - cerca de 10.000 anos atrás - o homem utilizava mais de 10.000 espécies de plantas comestíveis.

Tal consideração leva imediatamente a pensar na relação existente entre a agricultura e a biodiversidade. Além de insumos químicos tóxicos utilizados na produção de alimentos, existem hoje técnicas e modos de produção agropecuária que ameaçam o equilíbrio natural do meio ambiente. De fato, a perda de serviços ambientais que a biodiversidade oferece à agricultura vem crescendo com a expansão da fronteira agrícola, a erosão genética, as práticas de manejo intensivo dos solos, o uso maciço de produtos químicos e a homogeneização dos agrossistemas.

Frente a esses problemas ambientais, é imprescindível criar condições para a construção de nossa cidadania plena. Esta diz respeito a um Estado de Direito que ganha corpo nos países em que a sociedade civil tem a possibilidade de participar no processo de orientação não somente política mas também social, econômica e ambiental dos mesmos. Para isso, os membros de tal sociedade precisam ser informados dos obstáculos que os impedem ter acesso a uma vida saudável. Ao mesmo tempo, eles precisam ser bastante formados para procurar soluções adequadas. É dessas preocupações que nasceu este projeto.

Portanto, o presente projeto traduz a vontade do Colégio Capitão Lemos Cunha de participar ativamente na luta contra a degradação do meio ambiente. Sua essência é chamar a atenção de cerca de 5000 pessoas (alunos, professores e funcionários administrativos de escolas) sobre a harmonia da natureza e a necessidade de conservá-la.

A realização deste projeto encorajará a expansão da disciplina "Educação Ambiental" nos planos escolares da CNEC (Campanha Nacional de Escolas da Comunidade) que tem 1000 colégios espalhados no país todo. Assim, seus efeitos se manifestarão a longo prazo não somente a nível do município do Rio de Janeiro mas também a nível de outros municípios.

2. Objetivos

2.1 Objetivos gerais

  • Dar aos alunos do colégio a oportunidade de visualizar ou tomar consciência da harmonia funcional existente entre elementos da natureza através de um sistema integrado de produção agropecuária, de maneira a colocar em evidência a importância da biodiversidade;

  • Divulgar estratégias de proteção do meio ambiente;

  • Criar nova mentalidade em relação à Educação Ambiental, articulando-a à construção da cidadania;

  • Promover a inclusão do curso "Educação Ambiental" nos programas das escolas da CNEC (Campanha Nacional de Escolas da Comunidade).

2.2 Objetivos específicos

  • Capacitar os profissionais de ensino do 1º segmento do 1º grau bem como todos aqueles que têm contato com o educando;

  • Propiciar aos alunos a compreensão da importância do consumo de alimentos sadios, livres de produtos químicos;

  • Iniciar um convênio com o Hospital Municipal Paulino Werneck (sediado no bairro do Colégio), fornecendo variedades de plantas medicinais a ser utilizadas como fontes de medicamentos no tratamento fitoterápico pelo núcleo de Medicina Alternativa deste hospital;

  • Desenvolver nos alunos um espírito empreendedor de forma que, frente a alguma necessidade econômica, possam colaborar através do aumento da renda familiar;

  • Custear o ensino de alunos carentes que constantemente vão ao Colégio Capitão Lemos Cunha em busca de bolsas de estudos, através da venda dos produtos obtidos na nossa horta.

3. Apresentação das atividades

O projeto será realizado num período de 12 meses. Compreende as seis seguintes atividades: criação de frangos de postura, criação de frangos de corte, produção de peixes, criação de minhocas, cultivo de plantas medicinais e conscientização ecológica junto a outros colégios da CNEC.

Seus resultados serão divulgados em todos os colégios da CNEC e em outras escolas indicadas pelo FUNBIO. Seu impacto fundamental será o de promover a formação de uma eco-cooperativa entre pais de alunos, professores e funcionários administrativos do Colégio Capitão Lemos Cunha.

4. Resultados esperados e indicadores de sucesso

  • 35 dúzias de ovos em média vendidas por semana a partir do oitavo mês de execução do projeto;

  • 100 frangos de corte vendidos por trimestre a partir do quarto mês de execução do projeto;

  • Peixes e minhocas em produção, utilizados para educar e informar alunos, professores e funcionários de colégios da CNEC em questões ambientais;

  • 10 espécies de plantas medicinais cultivadas e fornecidas ao Hospital Paulino Werneck para fins curativos;

  • Alunos carentes beneficiando de bolsas de estudos do Colégio Capitão Lemos Cunha;

  • 90 profissionais de ensino da CNEC capacitados em questões ambientais;

  • 10 outros colégios da CNEC incluindo o curso "Educação Ambiental" nos seus programas escolares;

  • Mais de 5.000 pessoas integrando e/ou participando na luta contra a degradação do meio ambiente.

5. Impactos esperados

  • Existência de mais pessoas que compreendem a importância de consumir alimentos sadios, livres de produtos químicos;

  • Disponibilidade (a favor da sociedade brasileira e/ou da humanidade) de pessoas respeitosas de princípios básicos de uma vida saudável e capazes de criticar e transformar beneficamente realidades relativas ao meio ambiente;

  • Fortalecimento do processo educativo interdisciplinar que associa a escola à realidade cotidiana, tornando-a participante do projeto existencial do homem;

  • Extensão da medicina alternativa baseada nas virtudes de plantas medicinais;

  • Adoção da disciplina "Educação Ambiental" nos planos escolares da CNEC que tem 1.000 colégios espalhados no país todo;

  • Formação de uma eco-cooperativa entre pais de alunos, professores e funcionários administrativos do Colégio Cenecista Capitão Lemos Cunha.

6. Bibliografia

CAPRA, Fritjof. O ponto de mutação. São Paulo, Editora Cultrix, 1982.

CEDI/CRAB. Educação Ambiental. São Paulo, Paulinas, 1992.

EDITORA ABRIL S.A. Guia Rural Abril. São Paulo, Editora Abril, 1986.

FERREIRA, Mauro Gregory. Produção de Aves: Corte e Postura. 2ª Edição. Cuiabá (RS), Livraria e Editora Agropecuária, 1993.

GALLI, Luiz Fernando e TORLONI, Carlos Eduardo C. Criação de Peixes. 3ª Edição, São Paulo, Nobel, 1988.

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE E DA AMAZÔNIA LEGAL/IBAMA. Educação Ambiental. Brasília, 1993.

PÁDUA, José Augusto. O que é Ecologia?. São Paulo, Brasilense, 1992.

PENTEADO, Heloída D. Meio Ambiente e Formação de Professores. São Paulo, Cortez Editora, 1994.

TEIXEIRA, Filho Alcides Ribeiro. Piscicultura ao alcance de todos. 2ª Edição. São Paulo, Nobel, 1991.

TORRES, Alcides Di Paravicini. Alimentos e Nutrição das Aves Domésticas. São Paulo, Livraria Nobel, 1977.

VIEIRA, Márcio I. Minhocas e Minhocários: Bons Lucros. São Paulo, Prata Editora e Distribuidora, 1994.

NOTES

1 Sumário executivo da proposta elaborada em maio de 1996 por profissionais do GIFAD - Grupo de Investigação, Formação e Ação para o Desenvolvimento e submetida pelo Colégio Cenecista Capitão Lemos Cunha ao FUNBIO - Fundo Nacional do Meio Ambiente, no âmbito do Edital Ed01-96/97-04.

2 Para entrar em contato com os autores, clique aqui.



Em caso de dúvidas ou sugestões, clique aqui
Copyright: GIFAD